SEMEANDO ESTRELAS COM KRISHNA NO DARMA

Falando daquela força espiritual que anima o coração do servidor da Luz.

Certa vez, durante uma época de tribulações, Arjuna chorou por causa da ignorância dos homens… o seu coração estava angustiado e ele sequer conseguia meditar.
Então, ele orou a Krishna, de todo coração, pedindo a Ele que o arrebatasse para os planos paradisíacos, pois ele tinha saudades da pátria espiritual e das estrelas – e, também, de brincar no parque dos devas.
Foi quando o seu chacra frontal se ativou, por obra e graça de uma força espiritual superior… e ele viu o Senhor dos Olhos de Lótus!
E neste momento, ele escutou, em seu coração, as palavras estelares de seu Senhor:
“Filho do meu Darma, é assim que você cumpre a promessa que me fez, de permanecer entre os homens e ajudá-los?
Você voltará para as estrelas quando eu determinar!
Porque sua tarefa é portentosa e libertária.
Não permita que o desânimo tome conta do seu coração.
Continue o seu serviço, como eu lhe ordenei.
Neste mundo de provas, poucos compreendem o Darma.
A maioria dos homens desdenha a própria consciência e age de forma impensada.
A tônica das gerações se sucede na repetição de velhos erros e padrões negativos.
Maya, a rainha das ilusões, joga com os homens e os faz penar em suas artimanhas.
Mas você é o meu trabalhador dos braços fortes!
E é sua missão projetar as setas do discernimento espiritual na crosta do mundo.
O seu Darma é lutar pelos bons ideais, mesmo que ninguém o compreenda.
E de que adiantaria eu arrebatá-lo agora mesmo, sem o cumprimento da missão?
Você mesmo não se sentiria em casa, sabendo do sofrimento dos seus irmãos.
A sua alegria é estar a serviço do Bem e ser veículo das energias celestes.
Você é o meu auriga (cocheiro) querido e aonde você for, aí eu estarei!
Nunca se esqueça disto: é a minha Luz que o anima à consecução do Darma.
Mesmo que você não me veja, eu sempre estarei em seu coração.
E nos momentos difíceis, pense em Mim!
Trabalhe, meu amigo, até que eu venha buscá-lo.
Os devas também estão com saudades de brincar com você.
E sempre haverá um deles aplainando o seu Darma…
A consciência cósmica o espera. Mas, primeiro, o trabalho!
Eu o compreendo. E isto deve lhe bastar.”
Então, o Senhor dos Olhos de Lótus abraçou espiritualmente o seu auriga.
E Arjuna novamente se animou e foi trabalhar…
Em seu coração, ele compreendeu: o Darma não era seu, era de Krishna.
E cabia a ele ser seu veículo feliz, por onde fosse…

P.S.:
Dizem os sábios espirituais (rishis) que Arjuna conversava com os devas…
E que ele ria muito por isso.
E, também contam que uma estrela prânica sempre o acompanhava…
E por onde ele seguia, a Luz se propagava.
Aquela Luz celeste que ele tanto amava…
A Luz de Krishna.

(Dedicado a Paramahamsa Yogananda e Paramahamsa Ramakrishna – e, também, a todos os estudantes e trabalhadores espirituais, de todas as linhas voltadas para o Bem, e que, mesmo em dias difíceis, continuam perseverando nas lides da Luz.)

Paz e Luz!

– Wagner Borges – mestre de nada e discípulo de coisa alguma.
São Paulo, 31 de maio de 2020.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s