NÃO SOU MESTRE DE NINGUÉM

NÃO SOU MESTRE DE NINGUÉM

– Por Huberto Rohden –

Não sou mestre de ninguém.
Ninguém é discípulo meu.
Sou como a flecha na encruzilhada,
Cuja missão é apontar o caminho certo,
E depois ser abandonada…

Se o viandante não ultrapassar a seta,
Não cumpre o desejo da mesma.
Ai de mim se eu não for abandonado!
Se o viandante parar diante de mim,
Contemplando a minha forma e cores.

Se, em vez de demandar a invisível longinquidade,
Se enamorar da minha visível propinquidade,
E não compreender a minha mensagem,
Que aponta para além de mim,
Rumo ao Infinito.

Ai de mim, se eu for espelho,
Perante o qual os homens parem…
Para se contemplarem a si mesmos,
Em mortífero narcisismo!

Feliz de mim, se eu for janela aberta,
Que permita visão de horizontes longínquos,
Passagem franca para o Infinito!

Não sou mestre de ninguém,
Ninguém é discípulo meu!
Indico a todos, o Mestre invisível,
Que habita na alma de cada um,
E para além de todos os mundos.

Sinto-me feliz, quando o viajor,
Orientado pela legenda da minha seta,
Abandona-me e vai em demanda
Da indigitada meta,
Em espontânea liberdade,
Rumo à longínqua felicidade…

Resultado de imagem para arrow that points the way

(Texto extraído do livro “A Voz do Silêncio” – do genial filósofo brasileiro Huberto Rohden – Editora Martin Claret.)

– Nota:
Ver a coluna dedicada a Huberto Rohden no site do IPPB, nesse link: http://www.ippb.org.br/textos/textos-de-huberto-rohden

__._,_.___

Um comentário sobre “NÃO SOU MESTRE DE NINGUÉM

Deixe uma resposta para Simone Leite da Silva Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s